sexta-feira, 1 de dezembro de 2006

Desamor


Amores Violentos

fonte: Revista IstoÉ, 29/11/2006

Foi no jantar que se olharam e não se conheceram mais. Não havia vontade de estar ali, passavam o tempo todo se vendo noutro lugar com outra pessoa.
O medo de que o outro também sentisse isso transformou-se em desamor e odiaram-se imediatamente.

6 comentários:

Carla Borges disse...

Sílvio,
Quanto lirismo!
Comento sempre como é tênue a linha que divide o bom gosto do piegas, do mau texto.
Você é um mestre do bom texto, simples, claro, cristalino e, acima de tudo, cheio de poesia.
Obrigada.
Carla Borges

Kalinka disse...

Sílvio, que belo!!!
Amores violentos retrata o dia a dia de milhares de pessoas, neste Mundo tão frio e sem sentimentos, que existe em pleno século XXI.
Muitos se conhecem ao jantar, e não se conhecem mais...

Obrigado por sua visita.

Beijo.

Jonice disse...

E o desamor se alastra num mundo onde todos dizem querer amor...
Have a nice week-end :)

Caiê disse...

Retratas verdades sem saberes (ou será que sabes?)...
Um beijinho.

Anônimo disse...

Quer mesmo saber? Este é meu blog predileto, é delicado, elegante, sofisticado e sobretudo, talvez por isso mesmo, simples como um copo d'ågua.

Estou apaixonada.

lucordeiro disse...

É verdade, Sílvio, o que escreveu. Só não sei se o odiar é o sentimento que acontece. Talvez não chegue a tanto, mas o desamor, sim. E não é tão de súbito. Cresce com o passar do tempo. Mas, como não somos donos do nosso sentir, nada podemos fazer. Sair e fechar a porta é o melhor a fazer antes que o ódio aconteça.
Beijos