sexta-feira, 20 de julho de 2007

Pai, te amo.


.
fonte: Zero Hora, 20/07/2007
.
- Com licença... não pude deixar de escutá-lo ao telefone. Seu filho?
- Minha filha. Ela disse que me ama.
- Ah, sim. Os adolescentes têm se despedido assim ultimamente.
- Pode até ser, mas se não me amasse não diria.
- E quantas vezes a gente ama e não fala, não é mesmo?

3 comentários:

Carla disse...

Sílvio, querido,
Essas tragédias, essas mortes estúpidas só nos lembram e fazem ver a urgência de viver, de amar, de não deixar para depois.
Temos mesmo de dizer às pessoas que amamos que as amamos e não só dizer, mas agir com amor e dedicação. O depois pode não existir para cada um de nós.
Beijos,
Carla Borges

Moita disse...

Quantos queria dizer eu te amo e o desgoverno do Lula não permitiu com o descaso dos aeroportos e etc.

Abraços

mixtu disse...

e não fala...

abrazo europeu